Um ano sem Padre Quevedo | Deo Vero
Botão de Pesquisar Pesquisar
Botão de Pesquisar Entrar
Botão de Pesquisar0 Carrinho
Botão de Pesquisar Assine

Um ano sem Padre Quevedo

“Nenhum deles procura outro curandeiro quando está doente”

Por: Mathias Ribeiro
. Atualizado: 9/01/2020 às 15h:17

Hoje completa um ano que perdemos o jesuíta Oscar González Quevedo, conhecido como Padre Quevedo. Ele tinha 88 anos e ficou popular pelo bordão “Isso non ecziste”, repetido por ele incontáveis vezes enquanto apresentou o quadro “O Caçador de Enigmas”, que fez parte do “Fantástico”, na TV Globo, entre janeiro e maio de 2000. O objetivo — do quadro e de toda a trajetória religiosa de Padre Quevedo — era desvendar fenômenos da natureza e desmascarar charlatões que se aproveitavam da fé das pessoas.

Nesse papel de desmistificar fenômenos parapsicológicos, curandeiros e acontecimentos tidos como inexplicáveis, tornou-se figura extremamente midiática desde os anos 1970. Em diversas aparições televisivas e em entrevistas, confrontou-se com alguns dos mais célebros místicos do país, como Zé Arigó, João de Deus, Thomas Green Morton, INRI Cristo e o israelense Uri Geller. Escreveu mais de uma dezena de livros, tratando de temas como demonologia, curandeirismo e espíritos.

Atacava os curandeiros (“Nenhum deles procura outro curandeiro quando está doente”), afirmando que praticavam exercício ilegal da medicina e prejudicavam os doentes que os procuravam. Também voltou sua ira contra os espíritas (“O espiritismo é uma bobagem total”).

Além do feito, ele possuía o título de estar entre os maiores especialistas do mundo no campo da parapsicologia. Seus livros, que lhe trouxeram grande sucesso, venderam inúmeras cópias. Nomes como “O que é parapsicologia?”, “A Face Oculta da Mente” e “As Forças Físicas da Mente” são conhecidos e ganharam traduções em diversos idiomas. Como se sua formação na área não fosse suficiente, ele ainda completava o diploma com graduação em filosofia, teologia e humanidades clássicas.

Aos 15 anos de idade, ele ingressou na Companhia de Jesus, segundo informado pela Ordem dos Jesuítas. Em 1959, com 29 anos, chegou ao Brasil e um ano depois, naturalizou-se brasileiro. Ele foi professor de parapsicologia em São Paulo no Centro Universitário Salesiano (Unisal) e no Centro Latino-Americano de Parapsicologia (Clap), no qual também ocupou o cargo de diretor por alguns anos.

Nos anos 90, o padre ganhou um quadro no Fantástico chamado O Caçador de Enigmas no qual desmascarava charlatões e repetia o bordão “Isso non ecziste”. O programa foi idealizado em agosto de 1999, segundo o site Memória da Globo, inspirado no sucesso de audiência da época, Mister M.

Que Deus o tenho em um bom lugar.

Encontrou algo errado na matéria?

Nosso apostolado possui em sua equipe editorial jornalistas profissionais, sacerdotes, professores e leigos, por esta razão, é possível que o conteúdo do nosso site contenha erros e para isso precisamos da sua ajuda.




    Leia Mais

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Botão Facebook Botão Facebook