Reação da China à visita de Pelosi é incivilizada, ‘infantil’, diz enviado do Vaticano a Taiwan

Por: Mathias Ribeiro
. Atualizado: 13/08/2022 às 01h:42
(Imagem: Embaixada de Taiwan na Santa Sé.)

ROMA – O embaixador de Taiwan na Santa Sé condenou a retaliação da China à recente visita da presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, a Taiwan, dizendo que a decisão das autoridades chinesas de lançar mísseis em seu espaço aéreo e aquático é inflamatória, juvenil e perigosa para todo o mundo. região.

Em um comunicado enviado em resposta ao pedido de comentário ao site americano Crux, o embaixador de Taiwan na Santa Sé, Matthew Lee, disse que “condena veementemente o governo chinês por seguir o exemplo da Coreia do Norte ao testar propositalmente mísseis em águas próximas a outros países. ”, e ele exigiu que a China “exercitasse o autocontrole”.

Nos últimos seis dias, a China enviou aeronaves militares e drones não tripulados para áreas próximas a Taiwan e às ilhas mais ocidentais do Japão em resposta à visita de Pelosi.

Pelosi, a mais importante política dos EUA a visitar Taiwan em 25 anos, viajou para a ilha na quarta-feira, onde se encontrou com a presidente taiwanesa Tsai Ing-wen e outros líderes na capital Taipei.

Sua visita, feita como parte de uma turnê mais ampla pela Ásia, enfureceu as autoridades de Pequim, que a alertaram para não viajar para a ilha.

Taiwan é autogovernada; no entanto, a China vê a ilha como uma província separatista que eventualmente se unirá ao continente. Os EUA não reconhecem formalmente Taiwan, mas oferecem apoio consistente, incluindo a venda de armas.

Related Posts

Em uma coletiva de imprensa em Tóquio durante a etapa final de sua turnê pela Ásia, Pelosi disse na sexta-feira que a China tentou isolar Taiwan da comunidade internacional, mas que isso não impediria a visita de autoridades americanas.

“Não permitiremos que (a China) isole Taiwan. Eles não estão fazendo nossa agenda de viagens”, disse ela.

Em seus comentários, Lee disse que sete senadores e outros sete representantes dos EUA, incluindo Pelosi, visitaram Taiwan somente este ano.

“A visita de um presidente da Câmara dos EUA não é inédita e as visitas de funcionários de governos estrangeiros e legisladores são ocorrências rotineiras em países democráticos”, disse ele.

As alegações da China de que a visita foi uma violação de sua soberania e que prejudicou a paz e a estabilidade do Estreito de Taiwan, e sua decisão de lançar exercícios militares de fogo real por esses motivos foi “infantil”, disse Lee.

Ele chamou os exercícios militares de “muito longe da maneira como uma sociedade civilizada deve se comportar”, dizendo que comportamentos como esse “levaram à escalada de tensões na região e preocupações de toda a comunidade internacional”.

A tentativa da China “de fabricar uma crise é uma séria provocação e isso está claro para todos verem”, disse ele, insistindo que, apesar da alegação da China de que a visita de Pelosi foi uma violação do status quo do Estreito de Taiwan, Taiwan “não faz parte do a República Popular da China, e que esta nunca governou Taiwan”.

“Este é um fato histórico reconhecido pela comunidade internacional e tem sido o status quo através do Estreito”, disse ele, dizendo que o povo de Taiwan “tem o direito de fazer amigos em todo o mundo e (a China) não tem o direito de interferir.”

Após a visita de Pelosi a Taiwan, o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, a descreveu como “maníaca, irresponsável e irracional”.

Em resposta à visita, a China lançou seus maiores exercícios militares na região. Taiwan disse que 11 mísseis balísticos cruzaram as águas ao redor das costas nordeste e sudoeste de Taiwan. Autoridades japonesas disseram que pelo menos cinco mísseis chineses também caíram em suas águas e pediram a suspensão imediata dos exercícios.

Aumentando as tensões, a China anunciou na sexta-feira novas contramedidas contra os Estados Unidos, incluindo, entre outras coisas, a suspensão das negociações climáticas, o cancelamento de futuros telefonemas e reuniões entre líderes de defesa chineses e americanos e sanções pessoais contra Pelosi e membros de sua família imediata.

Em sua declaração, Lee acusou a China de usar a visita de Pelosi como desculpa para implementar “medidas econômicas e comerciais coercitivas”, dizendo que são as próprias autoridades chinesas que estão “derrubando o status quo e a paz no Estreito de Taiwan”.

Ele reiterou as observações feitas pela presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, em um discurso ao povo em 4 de agosto, dizendo que a paz no Estreito de Taiwan “é responsabilidade compartilhada de todos na região”.

Taiwan, disse ele, “está fazendo o máximo para manter o status quo através do Estreito e permanece aberto a um diálogo construtivo”.

“Como uma parte interessada responsável na comunidade internacional, Taiwan não será provocada a tomar medidas precipitadas e permanecerá calma diante do comportamento irresponsável (da China), salvaguardando nossa soberania e segurança nacional”, disse Lee.

Ele pediu à comunidade internacional que condene coletivamente as ações da China e trabalhe com Taiwan para “defender conjuntamente a ordem internacional baseada em regras e uma região do Indo-Pacífico livre e aberta”.

Lee ecoou uma declaração dos ministros das Relações Exteriores do G7 pedindo “calma, contenção e transparência em todo o Estreito de Taiwan” e expressou sua gratidão aos ministros das Relações Exteriores do G7 e ao Alto Representante da União Européia “por reafirmar seu compromisso de manter a política internacional baseada em regras”. ordem” e paz na região.

Em um apelo à comunidade internacional, Lee expressou sua esperança de que a China cesse imediatamente sua “escalada contínua” de ameaças militares e disse que Taiwan “defende firmemente” sua soberania e segurança nacional.

Ele pediu que os membros da comunidade internacional “se unam para pôr fim a essas ações militares unilaterais e irracionais, insistindo que Taiwan trabalhará com “aqueles na região e parceiros democráticos em todo o mundo para manter a paz e a estabilidade no Estreito de Taiwan e região do Indo-Pacífico”.

“Agradecemos à imprensa global e à comunidade internacional por reconhecer a importância da visita e pedimos a todos os países que monitorem a segurança do Estreito de Taiwan”, disse Lee, acrescentando que Taiwan “está feliz em aprofundar o intercâmbio com países democráticos de mesma opinião”. países, para garantir uma região do Indo-Pacífico livre, aberta e pacífica”.

Encontrou algo errado na matéria?

Nosso apostolado possui em sua equipe editorial jornalistas profissionais, sacerdotes, professores e leigos, por esta razão, é possível que o conteúdo do nosso site contenha erros e para isso precisamos da sua ajuda.




    0 Comentários

    Os comentários são exclusivos para assinantes do Deo Vero.