Nobel da Paz: Por que os papas nunca ganham?

Mais uma vez um Prêmio Nobel da Paz foi anunciado na sexta-feira, e mais uma vez um papa não ganhou. Por que?

Por: Redação
. Atualizado: 11/10/2022 às 04h:03
Católicos e Prêmio Nobel

Na sexta-feira, o Prêmio Nobel da Paz foi anunciado novamente, e mais uma vez um Papa não ganhou.

Este ano, defensores de direitos humanos da Rússia, Bielorrússia e Ucrânia receberam a homenagem, que foi amplamente vista como uma condenação implícita a Vladimir Putin e sua guerra na Ucrânia.

Memorial da Rússia, Centro para as Liberdades Civis da Ucrânia e Ales Bialiatski Belarus compartilharão um montante de 10 milhões de coroas suecas, ou cerca de 4 milhões de reais em dinheiro. Além disso, eles receberão o prêmio em uma cerimônia marca da para o dia 9 de dezembro em Oslo, Noruega.

Embora muitos políticos e vários primeiros-ministros e estadistas de outros países tenham vencido o prêmio, nenhum papa – que também é um chefe de Estado – foi homenageado desde o início do prêmio em 1901.

Os pontífices rotineiramente são nomeados, como o Papa Francisco que que recentemente foi nomeado este ano por Dag Inge Ulstein, Ministro do Desenvolvimento Internacional da Noruega, que citou os “esforços do papa para ajudar a resolver a crise climática, bem como seu trabalho em prol da paz e da reconciliação”.

No intervalo que precedeu o anúncio de sexta-feira, muitos colocaram o Papa como favorito para ganhar o prêmio, mais ou menos as mesmas chances dadas à ativista ambiental Greta Thunberg e à Agência da ONU para Refugiados.

Veja Também

Católicos e Prêmio Nobel da Paz

Até o momento, quatro outros líderes católicos receberam o Prêmio Nobel da Paz:

  • Padre Dominique Pire, dominicano belga homenageado em 1958 por seu trabalho de ajuda a refugiados na Europa do pós-guerra.
  • Madre Teresa, agora Santa Teresa de Calcutá, que recebeu o prêmio em 1979 por seus esforços para aliviar o sofrimento humano.
  • Dom Carlos Filipe Ximenes Belo, que dividiu o prémio em 1996 com o político José Ramos-Horta pela sua liderança na resolução justa e pacífica do conflito em Timor-Leste que levou à independência nacional.
  • Padre José Ramon Tizon Villarin, um jesuíta filipino que fez parte do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas que recebeu o prêmio em 2007.

Recentemente, Dom Carlos Filipe Ximenes Belo enfrentou acusações de abuso sexual e má conduta, que supostamente levaram a uma sanção do Vaticano anteriormente não divulgada em 2020. Até o momento, no entanto, não houve nenhuma sugestão de que seu prêmio possa ser revogado.

Todos os papas foram nomeados em um ponto ou outro desde Bento XV, que reinou de 1914 a 1922, mas até agora nenhum deles se tornou ganhador do Nobel.

Por que os papas não vencem?

Para começar, o Prêmio Nobel da Paz é concedido por um comitê de cinco membros selecionado pelo parlamento da Noruega, um país tradicionalmente protestante onde os níveis de interesse e atenção aos papas não são especialmente altos.

Não é que os parlamentares noruegueses estejam envolvidos em velhos debates sobre, digamos, Philip Melanchthon (que muitos deles provavelmente pensariam ser um atacante do Bayern) ou a Dieta de Worms. Mas, em geral, em um país onde a identidade nacional foi forjada em parte pela rejeição da autoridade papal, dar tal prêmio a um papa simplesmente não é a coisa muito natural a se fazer.

Viés antipapal

Em alguns casos, o viés antipapal é explícito. Quando o Bispo Dom Gunnar Stalsett de Oslo da Igreja da Noruega, que também serviu como líder do Partido do Centro do país, foi membro do comitê do Prêmio Nobel da Paz de 1985 a 1990 e novamente de 1994 a 2003, ele declarou explicitamente que não apoiaria a candidatura do Papa João Paulo II devido à posição da Igreja Católica sobre a contracepção.

Muitos observadores acreditavam na época que, sem o veto informal de Stalsett, João Paulo II provavelmente teria sido nomeado co-vencedor em 1990 junto com Mikhail Gorbachev por seus papéis na dissolução pacífica do império soviético.

Em parte, a lógica para não dar o prêmio aos papas também tem a ver com o fato de que os papas não precisam do dinheiro, nem precisam dos holofotes da mídia que o prêmio sempre gera, enquanto ativistas e organizações menos conhecidas podem se beneficiar imensamente de ambos.

Claro, os mesmos argumentos poderiam ser feitos sobre dar o prêmio a presidentes, primeiros-ministros e outras figuras públicas de alto perfil, o que não impediu o comitê no passado de fazer exatamente isso.

Viés secularista no Nobel da Paz

No final, provavelmente é justo dizer que há um vago viés secularista no processo que assume que a religião simplesmente não é tão importante ou tão útil em assuntos globais quanto a “Realpolitik” ou a sociedade civil. Ao longo dos 121 anos que o prêmio foi concedido, relativamente poucos dos laureados foram figuras religiosas de qualquer tipo – o arcebispo luterano sueco Nathan Söderblom em 1930, o arcebispo Desmond Tutu da África do Sul em 1984 e o Dali Lama em 1989 estão entre os poucos. exceções.

Naturalmente, não é que perder o Prêmio Nobel de alguma forma diminua a autoridade moral de um papa, ou que os próprios papas anseiam pelo reconhecimento. Os papas já são muito aclamados – Francisco, por exemplo, foi proclamado a pessoa do ano pela Time, ganhou o Prêmio Carlos Magno pela unidade europeia e até foi capa da Rolling Stone.

Por outro lado, não é como se o Vaticano não percebesse. Durante os anos de São João Paulo II, os funcionários dos meios de comunicação do Vaticano às vezes eram aconselhados a minimizar o anúncio do prêmio, alegando que qualquer vencedor que não fosse o papa era, de fato, um insulto.

De qualquer forma, os estatutos do Prêmio Nobel da Paz determinam que seja concedido àqueles que “realizaram mais ou melhor trabalho pela fraternidade entre as nações, pela abolição ou redução dos exércitos permanentes e pela manutenção e promoção da paz congressos”.

É difícil acreditar que nenhuma vez nos últimos 121 anos algum pontífice tenha se qualificado – a menos, é claro, que haja alguma razão pela qual o comitê simplesmente não queira reconhecer um papa.

Encontrou algo errado na matéria?

Nosso apostolado possui em sua equipe editorial jornalistas profissionais, sacerdotes, professores e leigos, por esta razão, é possível que o conteúdo do nosso site contenha erros e para isso precisamos da sua ajuda.




    0 Comentários

    Os comentários são exclusivos para assinantes do Deo Vero.

    Nenhum número escolhido ainda