Patriarca russo desiste de reunião com papa

Patriarca russo cancelou sua participação planejada em uma reunião no próximo mês, onde deveria se encontrar com o Papa Francisco.

Por: Sophia Mendes
. Atualizado: 26/08/2022 às 04h:49
Patriarca russo desiste de reunião com papa
Foto de Serge Serebro, Vitebsk Popular News/Wikimedia

O Patriarca Russo da Igreja Ortodoxa cancelou sua participação em uma reunião inter-religiosa no Cazaquistão no próximo mês. A princípio ele deveria se encontrar com o Papa Francisco. Um alto funcionário ortodoxo disse que o cancelamento ocorreu por um sinal de maior deterioração nas relações sobre a guerra da Rússia contra Ucrânia.

O metropolita Anthony de Volokolamsk, chefe de relações exteriores do Patriarcado de Moscou, foi citado pela agência de notícias Ria Novosti. A agência diz que o Patriarca Kirill não participaria da reunião de 13 a 15 de setembro. Portanto, qualquer reunião com Francisco estava cancelada.

Kirill justificou a invasão da Ucrânia por motivos espirituais e ideológicos, chamando-a de uma batalha metafísica com o Ocidente. Além disso, ele abençoou soldados russos indo para a batalha e invocou a ideia de que russos e ucranianos são um só povo.

Related Posts

Encontro com Patriarca russo

O papa havia confirmado em julho que se encontraria com o patriarca na reunião do Cazaquistão. Esse encontro seria o segundo entre um papa e um patriarca russo. O primeiro foi em 2016 e o ​​segundo estava planejado para junho, mas teve que adiar devido às consequências diplomáticas da guerra.

Papa Francisco denunciou a guerra na Ucrânia, mas tentou dialogar com Moscou, abstendo-se de criticar a Rússia, o presidente Vladimir Putin ou Kirill. Sua abordagem equilibrada irritou Kyiv, que nesta semana condenou seus comentários lamentando que inocentes de ambos os lados estivessem morrendo na guerra.

Francisco fez esses comentários na quarta-feira quando completou seis meses de guerra e se referiu ao assassinato de Darya Dugina, um comentarista de TV russo nacionalista e filha do teórico político russo, Alexander Dugin, em Moscou, que apoia ardentemente a guerra.

Francisco se referiu como a pobre menina morta por um carro-bomba em Moscou, bem como os órfãos na Ucrânia e na Rússia, entre os inocentes que foram vitimados pela loucura da guerra.

O embaixador da Ucrânia na Santa Sé, Andrii Yurash, disse que as palavras do papa foram decepcionantes por aparentemente igualar agressor e vítima, estuprador e estuprado. Em um tweet na quarta-feira, ele perguntou como foi possível para Francisco citar um “ideólogo do imperialismo como vítima inocente?

Encontrou algo errado na matéria?

Nosso apostolado possui em sua equipe editorial jornalistas profissionais, sacerdotes, professores e leigos, por esta razão, é possível que o conteúdo do nosso site contenha erros e para isso precisamos da sua ajuda.




    1 Comentários

    Os comentários são exclusivos para assinantes do Deo Vero.