Pai de santo é preso suspeito de abuso sexual contra 4 mulheres no DF

Segundo Polícia Civil, religioso dizia que vítimas deviam ter relações sexuais com ele para se livrar de maldições e prosperar na vida. Uma das jovens é menor de idade.

Mathias Ribeiro
. Atualizado: 14/01/2020 às 23h:32

Um religioso de 31 anos foi preso nesta terça-feira (14) por suspeita de abusar sexualmente de pelo menos três mulheres e uma adolescente em Brasília. O homem foi detido pela Polícia Civil do Distrito Federal em Ceilândia, durante a Operação Veludo, e ficará preso por tempo indeterminado.

De acordo com as investigações, o pai de santo ganhava a confiança das vítimas e dizia que elas eram “o grande amor da entidade Exu Veludo”. Segundo a polícia, o homem falava que, para se livrar de maldições e prosperar na vida, as mulheres tinham que manter relações sexuais com a entidade, incorporada pelo suspeito.

As investigações, comandadas pela Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam), apontaram que uma das vítimas chegou a engravidar do pai de santo. De acordo com a polícia, o homem induziu a jovem a abortar a criança e a auxiliou no procedimento ao fornecer medicamentos abortivos.

Em entrevista ao portal de notícias da rede Globo, a delegada Sandra Melo disse que, além da vítima adolescente, uma outra mulher era alvo do abuso sexual desde menor de idade.

“Ele contou a mesma história para todas as vítimas para cometer o crime.”

A primeira denúncia chegou à polícia em outubro de 2019, quando a mãe de uma menina de 14 anos descobriu que a filha foi abusada sexualmente durante um suposto ritual para “melhorar o comportamento rebelde”.

Segundo os investigadores, o religioso fazia atendimentos em casa e também em um terreiro em Águas Lindas, na região do Entorno do DF.

O homem foi autuado por violação sexual mediante fraude e aborto provocado por terceiro com consentimento da gestante. Após a prisão, ele foi encaminhado à Divisão de Controle e Custódia de Presos (DCCP) da Polícia Civil.

Compartilhe

Encontrou algo errado na matéria COMUNIQUE ERROS

Leia Mais

Comentários

Apenas usuários logados podem comentar ou responder nossas matérias.