Ortega impede que imagem de Maria seja mostrada na diocese

Governo de Ortega proibiu o padre da diocese de Atahualpa, onde o bispo local está virtualmente em prisão domiciliar, de receber a imagem.

Por: César Edson da Paz
. Atualizado: 16/08/2022 às 04h:28
Ortega
(Imagem: Fundscion Ong DE Nicaragua/Wikimedia)

No sábado, o cardeal nicaraguense Leopoldo Breves abençoou várias imagens de Nossa Senhora de Fátima que iriam a cada diocese. Além disso, no domingo, o governo de Ortega proibiu o padre da diocese de Atahualpa, onde o bispo local está virtualmente em prisão domiciliar, de receber a imagem.

O padre Erick Díaz, pároco da cidade de Sumatra Dalian, recebeu um comunicado da polícia de que estava proibido de ir à catedral para receber a imagem.

Centenas de fiéis que estavam a caminho da catedral para venerar a imagem de Maria tiveram que voltar para suas casas. Essa foi a última medida anticatólica do regime de Daniel Ortega.

Dom Rolando Álvarez, de Atahualpa, está há 12 dias sob “prisão eclesiástica” e não pode deixar a sede diocesana. Álvarez está preso com seis sacerdotes e cinco leigos, incluindo dois seminaristas. A polícia e as milícias pró-governo guardam a sede. Amigos dos moradores dão lhes comida, água e remédios, e fontes disseram ao Deo Vero que a situação dentro do complexo está piorando a cada dia.

Apesar da detenção de Álvarez, estava prevista para domingo uma reconstituição da chegada da imagem de Nossa Senhora de Fátima à catedral. Ela foi proibida por Breves no sábado, que estava fechando o Congresso Nacional Mariano na Catedral de Manágua. Ele abençoou nove imagens de Maria para serem distribuídas por todo o condado.

Uma réplica peregrina da imagem original, feita em Portugal, percorreu o país visitando paróquias durante um ano e meio.

A arquidiocese anunciou a proibição da planejada procissão da efígie por “razões de segurança interna“.

Related Posts

Confronto do Governo Ortega

Em sua homilia, Breves disse que a comunidade foi confrontada com “grande alegria, mas também grande tristeza pela situação que vivemos em nossas paróquias.

Perdoe-os, Senhor, porque eles não sabem o que estão fazendo“, disse Brenes.

Também no sábado, Álvarez celebrou uma Missa na Cúria Diocesana e a transmitiu no Facebook Live.

Neste décimo dia na Cúria, queremos rezar especialmente pelas crianças, para que nós, adultos, possamos dar-lhes uma sociedade melhor do que aquela que conseguimos construir, na qual há paz, há justiça, há santidade e há regra da liberdade“, disse ele.

Álvarez também rezou por uma “sociedade inclusiva” que “priorize os pobres” e seja guiada não por “vingança e ressentimento, mas por amor e amizade“.

Embora o Papa Francisco e todos os seus assessores mais próximos tenham permanecido em silêncio sobre a situação na Nicarágua – o papa falou publicamente pela última vez sobre esse país em 2019 – o observador permanente da Santa Sé na Organização dos Estados Americanos expressou suas preocupações durante uma sessão especial do Conselho Permanente da agência.

Países condenaram atitude do governo

Dom Juan Antonio Cruz pediu “encontrar formas de entendimento baseadas no respeito mútuo e na confiança, visando acima de tudo o bem comum e a paz“.

Durante a sessão, 27 países aprovaram uma resolução condenando “o fechamento forçado de organizações não governamentais e o assédio e as restrições impostas a organizações religiosas” na Nicarágua. Houve um voto contra e quatro abstenções.

A polícia não permite grandes reuniões públicas desde setembro de 2018, exceto aquelas patrocinadas pelo governo ou pela Frente Sandinista de Libertação Nacional desde 2018 quando uma revolução liderada por estudantes exigia a derrubada do regime. Houve duas tentativas de diálogo para resolver a crise, da qual os bispos católicos participaram a pedido de Ortega, mas fracassaram. Desde então, o regime de Ortega tratou a Igreja Católica como inimiga do Estado.

Em 2021, depois de prender todos os líderes da oposição, Ortega foi reeleito presidente. À medida que seu poder se consolidava, ele foi encorajado a reprimir a dissidência e fechar mais de 1.000 ONGs. Entre eles estavam as Missionárias da Caridade, ordem religiosa fundada por Madre Teresa de Calcutá, banida do país no início deste ano.

Dezenas de estações de rádio e televisão católicas foram fechadas nos últimos meses, embora algumas tenham desafiado o governo transmitindo seus programas pela internet.

Encontrou algo errado na matéria?

Nosso apostolado possui em sua equipe editorial jornalistas profissionais, sacerdotes, professores e leigos, por esta razão, é possível que o conteúdo do nosso site contenha erros e para isso precisamos da sua ajuda.




    1 Comentários

    Os comentários são exclusivos para assinantes do Deo Vero.