Jesus e São José eram realmente carpinteiros? | Deo Vero
Botão de Pesquisar Pesquisar
Botão de Pesquisar Entrar
Botão de Pesquisar Assine

Jesus e São José eram realmente carpinteiros?

Olhar para o grego original, a tradução latina e o próprio contexto histórico de Jesus pode responder a essa pergunta … ou não.

Por: Daniel Esparza
. Atualizado: 11/06/2021 às 20h:31
Domínio público

A tradição e a devoção popular frequentemente retratam Jesus e São José como carpinteiros, trabalhando juntos, compartilhando oficinas e ferramentas enquanto constroem cadeiras, bancos e mesas. Até mesmo algumas pinturas do barroco espanhol mostram um Jesus muito jovem com uma pequena lasca de madeira presa em seu dedo, uma pequena gota de sangue escorrendo dele ou carregando uma tora de madeira no ombro enquanto estava na oficina, como se prenunciando sua morte posterior na Cruz. Mas é isso que o próprio texto bíblico realmente diz? Olhar para o grego original, a tradução latina e o próprio contexto histórico de Jesus pode responder a essa pergunta… ou não.

Claro, a maioria das traduções usa a palavra “carpinteiro” para descrever o trabalho de Jesus e São José. Mas a palavra grega que lemos nos Evangelhos de Mateus e Marcos pode ser lida de muitas maneiras diferentes. A palavra que os Evangelhos usam é téktōn , um termo comum usado para artesãos e marceneiros (então, sim, pode ser traduzido como “carpinteiro”), mas também, curiosamente, pode se referir a pedreiros, construtores, trabalhadores da construção ou mesmo para aqueles que se destacam em seu ofício e são capazes de ensinar os outros (como no maestro italiano ). A tradução latina que encontramos na Vulgata, faber, na verdade preserva os significados muito diferentes que o grego téktōn tem. Um faber é um termo geral usado para trabalhadores e artesãos em geral.  Um faber certamente pode trabalhar como carpinteiro de vez em quando, mas um lignarius é carpinteiro de profissão.

O professor James D. Tabor, um estudioso da Bíblia na Universidade da Carolina do Norte, sugeriu que “construtor” ou “pedreiro” seria uma tradução melhor para o grego téktōn no caso de Jesus, por razões muito específicas. Por outro lado, a pregação de Jesus frequentemente usa metáforas inspiradas na construção: referências frequentes a “pedras angulares” e “alicerces sólidos” podem sugerir que Jesus estava realmente familiarizado com os detalhes sobre como planejar, financiar, construir e construir uma casa. Além disso, dado o fato de que a região onde Jesus viveu e morreu não é exatamente abundante em árvores, e que a maioria das casas em sua época eram construídas com pedras, faz sentido pensar que Jesus e São José poderiam ter trabalhado no ramo de construção.

Mas também não é tão fácil. Na Septuaginta (a primeira tradução da Bíblia Hebraica do hebraico e do aramaico para o grego), encontramos o grego téktōn sendo usado no livro de Isaías, e também na lista de trabalhadores que construíram ou consertaram o Templo em Jerusalém no segundo livro dos Reis, para distinguir carpinteiros de outros trabalhadores. Essa distinção já era clássica, pois os gregos já usavam frequentemente a palavra téktōn para se referir especificamente a um carpinteiro, usando litólogos e laxeutés para pedreiro. Pensar que esse uso comum da palavra foi herdado pelos autores dos Evangelhos, que estavam bem familiarizados com a Septuaginta, é apenas lógico.

Mas comparar o grego na Septuaginta com o hebraico original encontrado em Isaías também é necessário. O grego téktōn é a palavra comumente usada para traduzir o hebraico genérico kharash , a palavra comumente usada para “artesão”. No entanto, téktōn xylon é a tradução literal do hebraico kharash-‘etsim , “artesão de madeiras”, que é de fato encontrado em Isaías 44, 13. Mas o estudioso da Bíblia húngara Géza Vermes sugeriu que é possível que o grego téktōn não tenha sido traduzido do hebraico kharash , mas, sim, que corresponda ao aramaico naggara. Na verdade, argumentou Vermes, quando o Talmud se refere a alguém como um “carpinteiro”, isso pode significar um homem muito culto. Isso significaria, então, que os autores dos Evangelhos estariam indicando que São José era de fato um homem culto, que não era apenas sábio, mas também versado na Torá, independentemente de seu ofício.

Encontrou algo errado na matéria?

Nosso apostolado possui em sua equipe editorial jornalistas profissionais, sacerdotes, professores e leigos, por esta razão, é possível que o conteúdo do nosso site contenha erros e para isso precisamos da sua ajuda.

É Necessário estar logado para nos enviar sugestões. Cadastre-se ou faça login com sua conta.

Leia Mais

Somente Assinantes podem comentar ou visualizar os comentários. Faça Login ou Assine nosso site.

Botão Facebook Botão Facebook