Em reunião, Papa Francisco pede a líderes ortodoxos russos que rejeitem a guerra

Por: Sophia Mendes
. Atualizado: 14/09/2022 às 15h:45
Em reunião, Papa Francisco pede a líderes ortodoxos russos que rejeitem a guerra
Foto de Long Thiên/Wikimedia

No seu segundo dia em um país da Ásia Central, o Papa Francisco disse aos líderes religiosos e principalmente aos ortodoxos russos. A humanidade está buscando orientação em meio a muitos desafios, especialmente o de alcançar Paz.

Falando aos participantes do VII Congresso de Líderes de Líderes Mundiais e Tradicionais no Cazaquistão na quarta-feira. Uma programação que inclui o segundo mais alto clérigo da Igreja Ortodoxa Russa, cuja liderança defendeu vigorosamente a guerra do presidente Vladimir Putin na Ucrânia. O papa expressou esperança de que evento “abriria um novo caminho, centrado nas relações humanas: no respeito, no diálogo sincero, no respeito pela dignidade inviolável de cada ser humano e na cooperação mútua.”

Como líderes religiosos. “O mundo espera que sejamos exemplos de almas vivas e mentes claras; espera-nos uma religiosidade autêntica”, disse ele, acrescentando. “É hora de perceber que o fundamentalismo contamina e corrompe todos os credos; tempo para [um] coração aberto e compassivo”.

Indireta para líderes ortodoxos russos

Embora não tenha mencionado especificamente a guerra na Ucrânia, o Papa Francisco falou do desafio de buscar a paz. Ele observou que, apesar de toda a conversa sobre paz nas últimas décadas, o mundo. “Ainda é atormentado pelo flagelo da guerra, por um clima de hostilidade e confronto, por uma incapacidade de dar um passo atrás e estender a mão para o outro.

Related Posts

Embora aplicáveis ​​a cada uma das religiões representadas no congresso na nação de maioria muçulmana, as palavras do Papa Francisco têm um peso particular. Dada a frequente defesa da guerra na Ucrânia por motivos religiosos pelo patriarca ortodoxo russo Kirill, de Moscou.

Questões como essas apontam para a necessidade de religião da humanidade”, disse ele, e destacou a importância da liberdade religiosa. Dizendo que a humanidade foi criada livre e, portanto, “cada pessoa tem o direito de prestar testemunho público de seu próprio credo, propondo sem nunca impô-lo”.

Oportunidade para refletir

Francisco disse que o próprio congresso é uma oportunidade para refletir sobre o papel que as religiões. O papel que elas têm no desenvolvimento espiritual e social da humanidade em um mundo pós-pandemia.

Cabe a nós… ajudar nossos irmãos e irmãs no momento presente a não esquecer nossa vulnerabilidade em vez de cair na ilusão da onipotência nascida do progresso tecnológico e econômico“, disse ele. Alertando os líderes para não serem vítimas de “a teia de lucros e ganhos, como se fossem a solução para todos os males”.

O papa disse que a aceitação fraterna é outro grande desafio global para enfrentar. Especificamente quando se trata de pessoas vulneráveis ​​e deslocadas devido à guerra, pobreza ou mudança climática.

O Papa Francisco encerrou seu longo discurso pedindo aos líderes religiosos que avancem juntos.

Avancem juntos para que a jornada das religiões seja cada vez mais marcada pela amizade”. disse o papa.

Encontrou algo errado na matéria?

Nosso apostolado possui em sua equipe editorial jornalistas profissionais, sacerdotes, professores e leigos, por esta razão, é possível que o conteúdo do nosso site contenha erros e para isso precisamos da sua ajuda.




    0 Comentários

    Os comentários são exclusivos para assinantes do Deo Vero.