Dom Rolando Álvarez, Bispo preso pela ditadura de Daniel Ortega, vai a julgamento

Por: César Edson da Paz
. Atualizado: 11/01/2023 às 15h:35
Dom Rolando Álvarez, Bispo preso pela ditadura de Daniel Ortega, vai a julgamento
Foto: Ramírez 22 nic/WikiMedia Commons

Dom Rolando Álvarez, que está em prisão domiciliar na Nicarágua desde agosto de 2022 pela ditadura de Daniel Ortega, enfrenta acusações de “conspiração” e divulgação de “notícias falsas” contra o regime.

Em audiência realizada hoje, o processo contra Dom Rolando Álvarez, da Diocese de Matagalpa, foi levado a julgamento em meio a denúncias de graves irregularidades no processo.

Segundo o Aviso do Poder Judiciário, “a primeira audiência da ação penal foi realizada nos Juizados da Comarca Criminal de Manágua, na qual Rolando José Álvarez Lagos compareceu como réu por formação de quadrilha, ameaça a segurança e soberania nacional e a difusão de notícias falsas por meio das redes sociais em detrimento do Estado e da sociedade nicaraguense”.

A autoridade judiciária revisou as medidas cautelares decretadas em audiência, ele também admitiu a troca de informações corroborativas e encaminhou o caso para a Justiça“, disse o boletim.

O judiciário da ditadura de Ortega também confirmou que o padre Uriel Antonio Vallejos conseguiu deixar a Nicarágua e está exilado na Costa Rica, ele é acusado dos “mesmos crimes” pelos quais a ordem oficial de prisão da INTERPOL está ainda em vigor.

Veja Também

Na madrugada de 19 de agosto de 2022, a polícia nicaraguense invadiu a chancelaria da diocese de Matagalpa e prendeu Dom Rolando Álvarez, um dos críticos mais ferrenhos do regime ditatorial de Daniel Ortega, que governou a Nicarágua por mais de 15 anos.

Horas depois, a polícia revelou que havia transferido o bispo para Manágua e o mantinha em prisão domiciliar.

O advogado nicaraguense Yader Morazán , defensor dos direitos humanos exilado nos Estados Unidos tuitou a juíza Gloria Saavedra como “o carrasco de hoje“.

Ela é uma das novas nomeações de 2019, substituindo os primeiros verdugos que julgaram manifestantes em 2018 e foram promovidos a magistrados. Ela nem fez carreira como juíza porque era coordenadora”, disse o advogado.

No sistema de justiça da Nicarágua, os mediadores judiciais, também conhecidos como coordenadores, são “líderes comunitários, voluntários, com espírito comunitário a serviço da administração da justiça. Não julgam casos, não são defensores públicos, são não procuradores”.

Morazán também disse que a defensora pública de Dom Rolando Álvarez , Jennifer Hernández, “é a defensora pública favorita do regime nas audiências contra padres para impedir ataques da ditadura de Ortega“.

Encontrou algo errado na matéria?

Nosso apostolado possui em sua equipe editorial jornalistas profissionais, sacerdotes, professores e leigos, por esta razão, é possível que o conteúdo do nosso site contenha erros e para isso precisamos da sua ajuda.




    0 Comentários

    Os comentários são exclusivos para assinantes do Deo Vero.