Diplomata do Vaticano chama ameaça nuclear de Putin de “repugnante”

Por: César Edson da Paz
. Atualizado: 28/09/2022 às 20h:46
Vaticano e Guerra Nuclear

As advertências de Putin de que consideraria o uso de armas nucleares são uma ameaça repugnante. E que mostra a urgência de eliminar as armas nucleares dos arsenais em todo o mundo, disse o cardeal Pietro Parolin.

A ameaça de Putin “ilustra o quão perto o mundo chegou do abismo da guerra nuclear. Essa ameaça iminente, com implicações devastadoras para toda a humanidade. Demonstra que ‘armas nucleares são um passivo caro e perigoso’, que mina a segurança internacional”, disse o cardeal em 26 de setembro na reunião de alto nível da ONU. A reunião aconteceu para comemorar o Dia Internacional da Eliminação total de armas nucleares.

Em um discurso em 21 de setembro, Putin disse: “Quero lembrá-los de que nosso país também tem vários meios de destruição. E quando a integridade territorial de nosso país estiver ameaçada, para proteger a Rússia e nosso povo, certamente usaremos todos os meios meios à nossa disposição”.

“Não é um blefe”, disse ele durante seu discurso na televisão, de acordo com a Associated Press.

Veja Também

Eliminação total das armas nucleares

Observando a insistência do Papa de que “o objetivo final da eliminação total das armas nucleares se torna um desafio e um imperativo moral e humanitário”, Parolin disse à sua audiência na ONU que as nações que possuem armas nucleares parecem estar “aumentando sua dependência da dissuasão nuclear” em vez de do que avançar para o desarmamento.

E, no cenário internacional, disse o cardeal, pouco progresso está sendo feito para encorajar mais países a assinar compromissos sob os termos do Tratado de Não-Proliferação Nuclear.

Alcançar a eliminação total das armas nucleares requer uma resposta que seja ‘coletiva e concertada, baseada na confiança mútua’ e considere as consequências humanitárias e ambientais catastróficas do uso nuclear”, disse o cardeal, citando o Papa Francisco.

Enquanto existirem armas nucleares”, acrescentou, “não podemos descartar a possibilidade de seu uso, o que ameaça ‘qualquer futuro possível para nossa casa comum’, bem como a própria existência da humanidade”.

Encontro com Sergey Lavrov

Na quinta-feira, o secretário de Estado do Vaticano, cardeal italiano Pietro Parolin, reuniu-se com o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov. O encontro ocorreu em Nova York para conversas que a Rússia chamou de produtivas e uma oportunidade para explicar as razões da guerra na Ucrânia.

O encontro de 22 de fevereiro entre Parolin e Lavrov ocorreu à margem da Assembleia Geral das Nações Unidas em Nova York.

De acordo com o comunicado, ambos os lados também se referiram à “natureza produtiva do diálogo russo-Vaticano e Igreja no mais alto nível“. Eles também abordaram várias “questões prioritárias de cooperação bilateral e internacional“.

O encontro entre Parolin e Sergey Lavrov ocorreu quando o Vaticano lutou para envolver as autoridades civis e eclesiásticas russas na invasão da Ucrânia. Ocorrida em 24 de fevereiro, a invasão provocou uma guerra que deslocou milhões e custou milhares de vidas, muitas delas civis mortas, incluindo crianças.

Além disso, o Papa Francisco perdeu a oportunidade de conhecer o Patriarca Ortodoxo Russo Kirill. Ele é um defensor da invasão da Ucrânia por Putin, durante sua visita ao Cazaquistão na semana passada.

Encontrou algo errado na matéria?

Nosso apostolado possui em sua equipe editorial jornalistas profissionais, sacerdotes, professores e leigos, por esta razão, é possível que o conteúdo do nosso site contenha erros e para isso precisamos da sua ajuda.




    0 Comentários

    Os comentários são exclusivos para assinantes do Deo Vero.

    Nenhum número escolhido ainda