Diocese de Roma explora história e santidade do vinho

Por: Mathias Ribeiro
. Atualizado: 27/09/2022 às 17h:51
Vinho

Do Cântico dos Cânticos às Bodas de Caná, dos monges beneditinos da Borgonha ao nascimento de Barolo. Do vinho como emblema da vida rural a símbolo de festa. Uma viagem, entre aromas e sabores, anedotas e curiosidades.

Muitos católicos pensam que pecam ao beber álcool, contudo esta é a descrição de uma série de degustações em quatro partes. As degustações oferecidas pela Pastoral do Lazer, Turismo e Esporte do Vicariato de Roma durante os meses de outubro e novembro.

O evento volta à Diocese de Roma neste outono com um ciclo de quatro aulas sobre vinho baseadas nas Escrituras, História e Arte.

Ministrada por Marco Cum, teólogo e famoso sommelier da European School of Sommelier, as aulas acontecerão a cada duas semanas.

A primeira lição acontecerá no dia 6 de outubro. Ela tratará do versículo do livro de Isaías: “O Senhor dos Exércitos fará uma panela para todos os povos, um banquete de suculentas delícias”.

As aulas incidirão na enologia antiga e no estudo da Abadia de Cluny, considerada um local de importância simbólica na história do vinho europeu.

Trechos do Cântico também serão incluídos nas músicas. Além disso, estudarão as músicas durante a aula e os vinhos degustados incluirão um Saperavi Georgian Tinto e um Pinot Noir.

Veja Também

Vinho Barolo Piemonte

Do mesmo modo, no dia 20 de outubro será feita a análise do trecho do Evangelho de João do qual será feito o curso. recebe seu nome: “Eu sou a videira, e vocês são os ramos”.

Além disso, ele também é creditado por, entre outras coisas, desenvolver a forma moderna do vinho Barolo Piemonte, considerado um dos melhores vinhos tintos italianos atualmente à venda.

A história conta que Colbert, cujo marido Carlo Tancredi Falletti diBarolo era um nobre de ascendência francesa, dedicou grande parte de sua vida pós-casamento à caridade, mas também supervisionou os vinhedos de sua propriedade, que produziam anualmente um vinho tinto Nebbiolo, mas usava um pobre processo de envelhecimento e armazenamento.

Esta versão da história, que atribui o desenvolvimento de Barolo a Colbert e seu marido, foi contestada por alguns críticos de vinho, apesar de sua notoriedade, mas como dizem os italianos, se non e’ vero, e’ ben trovato, que traduz aproximadamente para “se não for verdade, pelo menos soa bem.”

Durante esta aula, além do Barolo, também é degustado um Arneis branco.

O próximo curso acontecerá no dia 3 de novembro e será dedicado ao tema do vinho na arte.

O curso termina no dia 17 de novembro com a história bíblica das Bodas de Caná, contada no segundo capítulo do Evangelho de João, e a degustação de dois espumantes, um champanhe e um moscato. d’Asti: um espumante doce para depois do jantar.

Encontrou algo errado na matéria?

Nosso apostolado possui em sua equipe editorial jornalistas profissionais, sacerdotes, professores e leigos, por esta razão, é possível que o conteúdo do nosso site contenha erros e para isso precisamos da sua ajuda.




    0 Comentários

    Os comentários são exclusivos para assinantes do Deo Vero.

    Nenhum número escolhido ainda