Cardeal Zen e outros 5 são julgados em Hong Kong por causa de fundos

Por: Sophia Mendes
. Atualizado: 26/09/2022 às 16h:11
Cardeal Zen e outros 5 são julgados em Hong Kong por causa de fundos

Um cardeal católico de 90 anos, Dom Joseph Zen, e outros cinco foram a julgamento em Hong Kong na segunda-feira. O julgamento acontece logo após o bispo supostamente não registrar um fundo que agora está extinto. O fundo é para ajudar pessoas que vivem com indivíduos presos durante os protestos em massa contra o governo na cidade.

Dom Joseph Zen, foi preso pela primeira vez em maio, juntamente com outros, incluindo a cantora Denise Ho e a advogada Margaret Ng. A prisão aconteceu por suspeita de colaborar com forças estrangeiras na China e por colocar em risco a soberania segurança nacional. Joseph Zen é um bispo aposentado de Hong Kong.

Zen ainda não se livrou ​​​​de acusações relacionadas à segurança nacional

Zen e outros cinco ainda não se livraram ​​​​de acusações relacionadas à segurança nacional. Indiciados por não registrar adequadamente o agora extinto 612 Humanitarian Fundo de Auxílio. O caso concentrará principalmente em saber se o 612 Humanitarian Relief Fund é uma organização registrável e quando o fundo foi determinado.

O fundo ajudou a pagar honorários médicos e legais de Manifestantes presos durante protestos antigovernamentais em 2019. Ele mais tarde cessaram as operações em agosto de 2021.

Se condenados, eles enfrentam uma multa de até HK$ 10.000 (R$ 7.538,64) sem pena de prisão.

O Vaticano permaneceu em silêncio sobre a prisão de Zen, dizendo apenas que está monitorando de perto os desenvolvimentos. Contudo, o caso chocou a comunidade católica.

Veja Também

Vaticano trabalha para renovar acordo com o governo chinês

Também ocorre enquanto o Vaticano trabalha para renovar seu acordo com o governo chinês sobre as nomeações de bispos na China, onde Pequim recomenda a nomeação e confirmação dos bispos pelo Papa.

Em Hong Kong, onde há cerca de 390.000 católicos de uma população de quase 7,3 milhões, a Igreja Católica ainda não dividiu restrições de liberdade ao estilo continental, mesmo com Pequim apertando seu controle sobre a cidade.

Contudo, Zen tem sido um crítico ferrenho do acordo do Vaticano com a China, chamando-o de “venda” de católicos “subterrâneos” na China leais ao Vaticano.

Ele era visto como uma figura um tanto controversa por causa de suas críticas sinceras a Pequim e seus laços com o campo pró-democracia em Hong Kong.

Logo após os protestos, Pequim introduziu uma dura lei de segurança nacional que proíbe a secessão, a subversão, o terrorismo e o conluio com estrangeiros. forças armadas para intervir nos assuntos da cidade.

A lei é amplamente vista como uma ferramenta para reprimir a dissidência e usada desde a sua criação para prender mais de 150 pessoas, muitas das quais são defensores da democracia e ativistas.

A maioria dos ativistas pró-democracia da cidade está na prisão ou fugiu da cidade.

Encontrou algo errado na matéria?

Nosso apostolado possui em sua equipe editorial jornalistas profissionais, sacerdotes, professores e leigos, por esta razão, é possível que o conteúdo do nosso site contenha erros e para isso precisamos da sua ajuda.




    0 Comentários

    Os comentários são exclusivos para assinantes do Deo Vero.

    Nenhum número escolhido ainda