A epifania convida os crentes a viverem a amizade com Jesus com ousadia e bondade | Deo Vero
Botão de Pesquisar Pesquisar
Botão de Pesquisar Entrar
Botão de Pesquisar Assine

Padre Vincent Hawkswell

A epifania convida os crentes a viverem a amizade com Jesus com ousadia e bondade

. Atualizado: 2/01/2022 às 17h:13
Uma representação tradicional dos Magos Bíblicos. (Crédito: WikiCommons.)

Hoje, nós celebramos a solenidade da Epifania do Senhor Jesus; em outras partes do mundo, será celebrada na data tradicional de 6 de janeiro. A palavra “epifania” vem da palavra grega para “manifestação”. É aplicado ao dia sagrado de hoje, uma vez que celebra o chamado dos Magos do Oriente e a declaração de que o tão esperado Salvador Ungido veio e não é apenas o redentor do Povo Eleito de antigamente, mas de todos os povos e nações .

A lição da Epifania é clara: o Salvador veio para todos. A nova aliança que ele estabelece é um lar para todos.

Embora predito nas profecias, a realidade de todas as pessoas – judeus e gentios – sendo bem-vindos juntos para adorar a Deus e receber seu favor divino foi de abalar a terra. Foi um movimento além das expectativas humanas. As bênçãos de Deus antes eram reservadas para Israel, mas agora estão abertas a todos. Essa mudança foi o ato mais universal, multicultural, diverso, tolerante, inclusivo e completamente católico da história humana. Com um movimento, a cultura hebraica, grega, romana e todas as outras culturas na terra encontraram um lar compartilhado no convênio de Jesus Cristo.

Era uma novidade pensar que todos – todas as línguas, tribos e povos – pudessem viver juntos em paz. Até essa inclusão radical, as pessoas eram definidas por suas associações geográficas ou culturais. No novo convênio, entretanto, todos os homens e mulheres se uniriam e seriam verdadeiros irmãos uns dos outros.

A aliança de Deus não dependeria mais de uma linha de sangue física. Agora, a aliança está aberta a qualquer pessoa que ouve a palavra de Deus e entrega suas vidas a ela. A salvação agora é baseada em uma decisão, um ato de liberdade e no modo de vida de uma pessoa.

Uma abertura tão ampla e incomparável trouxe um certo frescor e irresistibilidade à mensagem do Evangelho.

Nesta Epifania, devemos perguntar: Onde está essa vitalidade agora?

Em um dos escritos do Papa Emérito Bento XVI, ele faz a declaração passageira de que o Ocidente se tornou “existencialmente entediado” com a mensagem cristã. É uma declaração surpreendente – não apenas por causa de sua franqueza – mas porque atinge o cerne do desafio apresentado ao Evangelho e à Igreja em um mundo pós-cristão.

Parece que a antiga novidade da fé cristã agora se tornou a norma. A cultura ocidental contemporânea – marcada por seu secularismo violento – considera o multiculturalismo e a universalidade como garantidos. Ele falsamente presume que as coisas sempre foram do jeito que as coisas sempre foram, e negligencia os próprios princípios que lhes dão fundamento e substância.

Ao perder este alicerce, a sociedade secular é deixada com um multiculturalismo que carece de uma cultura e de um culto religioso. Não tem núcleo. Em vez de ser um princípio de unidade, ele se torna sua própria entidade e é respeitado por direito próprio, mas não há nada lá. O meio torna-se um fim e um fim vazio.

Ao fazer sua observação sobre o Ocidente, o papa emérito não nos deixa desolados. Ele avalia o tédio existencial do Ocidente e fornece algumas dicas sobre como recuperar o zelo e a energia que é a verdadeira marca do Evangelho.

O Papa emérito Bento XVI chama a própria Igreja de volta às fontes do Evangelho, isto é, à fidelidade à mensagem de Jesus Cristo e ao desejo de ser seu amigo, de ter comunhão com ele e de convidar outros para esta amizade. Ele chama a Igreja para um tempo mais simples, quando o Evangelho foi primeiro proclamado em toda a sua novidade e novidade.

É certo que a tarefa é mais difícil. O Ocidente pensa que conhece a mensagem do Evangelho, usa sua linguagem (embora redefinida e mal aplicada), e a mensagem foi encaixada em várias representações que não são precisas nem lisonjeiras.

Em muitos aspectos, o desafio é semelhante ao de Jerusalém quando os Magos chegaram lá. Com o rei Herodes, a cidade ficou angustiada com a notícia da vinda do Salvador. Em vez de se alegrar, o que qualquer um poderia esperar, a cidade estava cheia de ansiedade. Essa inquietação então foi causada (e é causada hoje) por uma negligência em conhecer e celebrar as profecias e a providência de Deus.

A união com Jesus Cristo não é alimentada – ou renovada – por meio de concessões ou falsa acomodação às ideologias predominantes ou cosmovisões culturais. Assim como a Jerusalém antiga, o mesmo ocorre com a sociedade ocidental secular de hoje, a seiva se perde quando a raiz é negligenciada. A árvore, porém, não precisa morrer. Ele simplesmente precisa receber cuidado renovado e atenção terna.

O convite para os crentes nesta epifania, portanto, é para viver sua amizade com Jesus Cristo de uma forma ousada e gentil e, então, compartilhar essa amizade com os outros.

Encontrou algo errado na matéria?

Nosso apostolado possui em sua equipe editorial jornalistas profissionais, sacerdotes, professores e leigos, por esta razão, é possível que o conteúdo do nosso site contenha erros e para isso precisamos da sua ajuda.

É Necessário estar logado para nos enviar sugestões. Cadastre-se ou faça login com sua conta.

Leia Mais

Somente Assinantes podem comentar ou visualizar os comentários. Faça Login ou Assine nosso site.

Botão Facebook Botão Facebook